Bem-vindo(a) Visitante sair | minha ufmg
SIEX/UFMG
Ações de Extensão
Georreferenciamento
Contato e Suporte
 
       

Projeto - 403276 - Aplicação de revestimentos em habitações autoconstruídas: o uso das argamassas pigmentadas produzidas com resíduos

Registro: 403276
Aprovado pelo CENEX em: 13/05/2020
 
Status: Concluído
 
Título: Aplicação de revestimentos em habitações autoconstruídas: o uso das argamassas pigmentadas produzidas com resíduos
 
Data de início: 01/03/2019 Previsão de término:
28/02/2021
 
   
 
Data da última aprovação pelo Órgão Competente: 03/09/2018
 
Órgão Competente: Congregação
 
 
CARACTERIZAÇÃO
 
Ano em que se iniciou a ação: 2018
 
Unidade: Escola de Arquitetura
 
Departamento: Departamento de Tec Arquitetura e Urbanismo
 
Programa vinculado: COMPASSO - EPIC: Parcerias educacionais para inovações em comunidades
Principal Área Temática de Extensão: Tecnologia e Produção
 
Área Temática de Extensão Afim: Meio Ambiente
 
Linha de Extensão: Inovação Tecnológica
 
Grande Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas
 
Palavras-chave: argamassa, revestimento, alvenarias, desempenho, durabilidade
 
 
DESCRIÇÃO
 
Apresentação e justificativa:
Em grandes cidades, muitas habitações das áreas mais carentes não possuem revestimento de argamassa nas alvenarias externas, o que compromete não apenas a estética mas a durabilidade e o desempenho dos sistemas de vedação. Problemas associados à estanqueidade e ao envelhecimento acelerado das vedações não revestidas, além da piora nos índices de conforto térmico e acústico que podem afetar diretamente a saúde dos usuários. Cabe salientar que uma melhora nas condições de conforto tem impacto sobre o consumo de energia das edificações na medida em que reduz o tempo de acionamento de soluções ativas (ex. ventiladores, ar condicionados, etc.).
Sabe-se que a alvenaria de blocos, independente do material da qual sejam executadas, não podem ficar expostas às intempéries sem o devido revestimento.
Dessa forma, considerando as habitações que não possuem revestimento adequado nas alvenarias, principalmente no lado externo, faz-se necessário um esforço para que o conforto e a saúde dessa população mais carente seja melhorado.
Uma das ações passa pela assessoria técnica a essas comunidades desassistidas, com ações de extensão que possam envolver a própria comunidade na resolução dos seus problemas.
A construção civil é um dos setores de maior relevância no cenário econômico brasileiro. Sua importância é evidenciada mesmo em períodos de recessão, sendo responsável por cerca de 6% do PIB de acordo com dados do IBGE (2016). Somente nas principais regiões metropolitanas do país, o total de brasileiros vinculados às atividades desse domínio no mercado formal equivalia a 1,7 milhões de pessoas.
Embora essencial, o setor também é um dos que mais impacta negativamente o meio ambiente. O impacto ambiental causado pela produção e descarte desses resíduos é um dos principais do planeta, seja pela quantidade descartada diariamente ou pelo uso irracional das jazidas de recursos naturais.
Uma das soluções mais apontadas pelos pesquisadores trata da aplicação de resíduos nos materiais de construção, o que iria ao encontro do uso do rejeito de minério de ferro (RMF) como substituto parcial do cimento em argamassas. O RMF pode ser aplicado in natura ou calcinado a temperaturas baixas (<900 graus) o que representa um ganho energético em relação ao clínquer (calcinado a 1250 graus).
As argamassas produzidas com RMF podem ter propriedades semelhantes às argamassas convencionais, além do mesmo desempenho térmico.
 
Objetivos gerais:
O objetivo geral deste projeto é avaliar o desempenho de habitações de interesse social antes e após a aplicação de argamassas de revestimento produzidas com resíduo.
 
Objetivos específicos:
Como objetivos específicos, tem-se:
a) realizar um levantamento catalográfico das habitações sem revestimento interno/externo das alvenarias;
b) revestir, com o auxílio da comunidade, as alvenarias das habitações analisadas;
c) analisar as temperaturas internas e externas das habitações antes e após a colocação do revestimento.
 
Metodologia:
A execução do projeto terá início com o levantamento das habitações da comunidade escolhida (Conjunto Paulo VI e/ou Vila Confisco) que ainda não tenham revestimento interno/externo nas alvenarias. Serão levantados os aspectos de conservação do sistema construtivo (umidade, trincas, juntas, etc.) como base de dados para a posterior aplicação do revestimento, pois algumas melhorias poderão ser realizadas antes da etapa de revestimento, se for o caso.
Na segunda etapa, essas habitações receberão revestimento de argamassas produzidas com rejeito de minério de ferro. Essa será realizada com o auxílio dos próprios moradores das comunidades e com a assessoria técnica da equipe do projeto (professores e alunos).
As habitações escolhidas serão monitoradas com termo-higrômetros antes e após a execução do revestimento. Além disso, aspectos da superfície serão avaliados, como o índice de absortância das paredes.
Em paralelo, essas argamassas, produzidas com o rejeito de minério de ferro em substituição parcial ao cimento Portland, serão analisadas quanto às propriedades mecânicas (resistência à compressão, massa específica no estado endurecido, absorção e retenção de água) para que se possa obter dados de subsídio para a análise geral do desempenho térmico dessas argamassas em uso.
 
Forma de avaliação da ação de Extensão:
A ação de extensão poderá ser avaliada por dois aspectos:
a) a melhora dos índices de conforto térmico para os moradores das habitações escolhidas com a aplicação dos revestimentos argamassados;
b) análise do desempenho em uso das argamassas com rejeito de minério de ferro.
 
Site: www.arq.ufmg.br/epic
 
Origem do público-alvo: Externo
 
Caracterização do público-alvo:
Moradores do conjunto Paulo VI e do bairro Confisco, pois foram áreas delimitadas pelo Comitê Municipal de Mudanças Climáticas e Ecoeficiência da PBH.
 
Captação por edital de fomento: Não
 
Articulado com política pública: Sim
 
 
ESTUDANTES MEMBROS DA EQUIPE
 
Plano de atividades:
Para o acompanhamento das atividades, o bolsista desenvolverá as seguintes etapas de trabalho:
1. Visita à comunidade para levantamento das habitações: o foco dessa etapa é determinar o número de habitações que precisem de revestimento interno/externo;
2. Análise e determinação das habitações que estejam aptas a receberem revestimentos argamassados;
3. Apresentação das argamassas com rejeito de minério de ferro desenvolvidas: os moradores poderão escolher a tonalidade das argamassas para suas habitações;
4. Acompanhamento da etapa de revestimento: os moradores irão realizar essa etapa com a supervisão/orientação do bolsista e dos demais membros desse projeto.
 
Plano de acompanhamento e orientação:
O bolsista será acompanhado em reuniões semanais com o orientador. Na ocasião, poderá apresentar os resultados das visitas às comunidades e organizar, com o orientador, as próximas etapas de ação.
 
Processo de avaliação:
O bolsista será avaliado por sua assiduidade e pontualidade. Ao final do período, o bolsista será estimulado a desenvolver um relatório final em formato de comunicação técnica a ser enviado aos congressos da área de comunidades sustentáveis.
 
 
INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS
 
Infra-estrutura física:
Laboratório de Pesquisas Tecnológicas (LPT) e Núcleo de Pesquisas em Materiais Sustentáveis (NPMS) da Escola de Arquitetura da UFMG.
Vínculo com Ensino: Sim
Vínculo com Pesquisa: Sim
Público estimado: 2.500
 
 
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
 
Informações adicionais:
Esse projeto de extensão faz parte do Programa de Extensão "Parcerias educacionais para inovações em comunidades - EPIC".
 

   

Av. Antônio Carlos, 6627 - Campus Pampulha - Prédio da Reitoria, 6º andar - Belo Horizonte - MG
Fones: (31) 3409-4062 Fax: (31) 3409-4068 - E-mail: siex@proex.ufmg.br