Bem-vindo(a) Visitante sair | minha ufmg
SIEX/UFMG
Ações de Extensão
Georreferenciamento
Contato e Suporte
 
       

Projeto - 402645 - Natureza Urbana

Registro: 402645
Aprovado pelo CENEX em: 19/04/2018
 
Status: Ativo
 
Título: Natureza Urbana
 
Data de início: 01/03/2017 Previsão de término:
28/02/2019
 
   
 
Data da última aprovação pelo Órgão Competente: 24/08/2016
 
Órgão Competente: Congregação
 
 
CARACTERIZAÇÃO
 
Ano em que se iniciou a ação: -
 
Unidade: Escola de Arquitetura
 
Departamento: Departamento de Projetos
 
Programa vinculado: Natureza Política
Principal Área Temática de Extensão: Meio Ambiente
 
Área Temática de Extensão Afim: Tecnologia e Produção
 
Linha de Extensão: Desenvolvimento Urbano
 
Grande Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas
 
Palavras-chave: natureza urbana, cidade e sustentabilidade, agricultura urbana, lutas territoriais,cartografia; arquitetura tática; mapeamento; movimentos sociais; biopotência; tecnologia social; parques; jardins
 
 
DESCRIÇÃO
 
Apresentação e justificativa:
NATUREZA URBANA é um projeto extensionista, foi vinculado ao Programa IND.LAB_Laboratório Nômade do Comum, pertencente ao grupo INDISCIPLINAR, grupo de pesquisa do CNPQ sediado na Escola de Arquitetura da UFMG, que tem suas ações focadas na produção contemporânea do espaço urbano. Estará agora Vinculado ao Programa Natureza Política dentro do mesmo grupo de pesquisa.
Em fevereiro de 2013, o grupo de Pesquisa Indisciplinar inicia sua participação efetiva na teia formada ao redor do movimento Fica Ficus. Desde então, muitas conexões com outros grupos e movimentos em defesa da qualidade de vida urbana aconteceram. Entre 2013 e 2015, com a intensificação dos movimentos multitudinários contra os processos de urbanização neoliberal no Brasil, constituiu-se uma rede de apoio mútuo compartilhando experiências ativistas e aos poucos, agregando movimentos sociais, culturais e ambientais, tanto da Região Metropolitana de Belo Horizonte quanto de outras regiões do país como o Parque Augusta de São Paulo ou o Ocupe Estelita de Recife.
O Indisciplinar faz parte da Rede Verde que é um movimento que emerge na conexão das ações coletivas pela defesa da Mata do Planalto, do Parque Jardim América e das demais áreas verdes da cidade ameaçadas pelo Projeto de Emenda à Lei Orgânica (PELO) de Belo Horizonte que propõe mudanças nas regras de ocupação das áreas verdes da cidade. De autoria da prefeitura, a proposta PELO nº 7/2014 permite a instalação de equipamentos públicos de saúde, educação e assistência social em praças, parques, reservas ecológicas e espaços tombados, onde até então é proibida qualquer construção.
Em 2016 foi elaborado um seminário no Verão Arte contemporânea com o objetivo de aproximar ainda mais essas lutas e difundir o desejo por uma cidade mais verde. Gestado dentro do IND.Lab o Natureza urbana apoia esses movimentos no que diz respeito à projetos de parques urbanos e natureza na cidade.
Está sendo desenvolvido atualmente o Projeto do Parque das Ocupações do Barreiro em Belo Horizonte MG, Brasil, proposto na interseção entre uma área de proteção Ambiental e a ocupação habitacional como forma de promover a convivência e a interação entre ambos. Valendo-se da premissa de que seria possível uma convivência harmoniosa entre ocupação e área verde e que a existência da área de proteção ambiental seria importante para a qualidade do espaço das habitações foi proposto o Parque. A necessidade de trabalhar essa questão torna-se ainda mais pertinente se entendemos as dinâmicas do capital imobiliário e neoliberalismo, que resultam nas cidades onde o seu avanço provoca a perda de espaços para morar da população pobre nos centros urbanos, forçando a sua migração para regiões não especulativas, não ocupadas ou para onde o zoneamento urbano não permite ocupação legal. Dessa forma é que surge o conflito ocupação e área de proteção Ambiental. Porém a presença desse verde é extremamente necessária para boa qualidade de vida da população. O Parque das Ocupações é uma tentativa de mostrar a importância de ocupar sem deixar de lado a sustentabilidade e mostrar como é possível a coexistência de habitações e áreas verdes, independente de poder aquisitivo e como essas questões podem ser complementares e ser reforçarem mutuamente.
Assim a proposta cresce e tem a necessidade de se desdobrar. Estamos atualmente pleiteando uma verba junto ao subcomitê de Bacias Hidrográficas do Rio Arrudas para implantação do parque.
Parques, praças, jardins, áreas de preservação ambiental são fundamentais para a qualidade de vida e garantem uma vida mais saudável e locais coletivos para que os cidadãos possam viver parte das suas vidas também em espaços de convívio que não sejam necessariamente shoppings, instituições, condomínios fechados, entre outros. O direito à vida de qualidade nas cidades deve fazer parte da vida cotidiana de todos!
 
Objetivos gerais:
A partir do acima exposto, nosso objetivo nesse projeto é o de atuar junto a lutas urbanas por uma cidade mais verde e entender e potencializar práticas urbanas que, de alguma forma, conectam homem e natureza. Pretendemos atuar nos parques e áreas verdes. Nossa ferramenta de ação é a cartografia e a atuação junto à movimentos sociais (ocupações urbanas, vendedores, agricultura urbana, etc) além de orgãos de política pública.
 
Objetivos específicos:
- Cartografar a produção e a apropriação dos espaços verdes na cidade engendrada pelos moradores no seu cotidiano, seja na escala do corpo, da moradia ou da cidade.
- Cartografar os conflitos socioambientais e as emergências que desencadeiam essa produção.
- Cartografar remanescentes verdes na cidade sejam eles públicos ou particulares e entender a relação que existe entre essas áreas vendes entre si e entre as pessoas e essas áreas;
- Cartografar as relações econômicas em jogo que redesenham o espaço e os verdes na cidade;
- Cartografar os atores humanos e não humanos dessa produção: pessoas envolvidas e suas habilidades; espécies vegetais, águas urbanas que compõe as redes verdes na cidade.
- Atuar no sentido da construção de um imaginário sobre a natureza como um bem urbano necessário para a qualidade das cidades.
- Apoiar projetos de Parques Urbanos
- Atuar Junto à órgãos públicos no sentido de viabilizar projetos urbanos
- Organizar material gráfico (livros e revista, cartilhas)
 
Metodologia:
As metodologias desenvolvidas nesse projeto incluem:
- Interlocução direta (reuniões, rodas de conversa, etc) com os moradores de territórios de conflito socioambiental, identificar as questões e apontar possibilidades.

-Cartografias para o mapeamento dos atores humanos e não-humanos envolvidos na produção e apropriação das áreas verdes e das relações sociais e econômicas em ação no território.

- Processo itinerante e nômade para a realização das oficinas no intuito de facilitar a participação dos moradores dos territórios parceiros e de afirmar o reconhecimento de lugares de produção de saberes para além daqueles usualmente credenciados pela ciência e pela academia.

- Produção de cartilhas e manuais em redes sociais e eventos, em linguagens acessíveis, visando uma divulgação ampla do material produzido (copy left) e a autonomia de produção dos futuros interessados na informação compartilhada.

- Todo o processo visa o empoderamento e autonomia dos grupos sociais envolvidos, como também a transformação dos próprios pesquisadores (alunos e professores) quando em contato com a prática da extensão.
 
Forma de avaliação da ação de Extensão:
Em cada ação do projeto haverá uma forma de avaliar o processo, tendo em vista que a lógica de produção pode variar de acordo com os grupos envolvidos e com as relações construídas, e consequentemente pode resultar em: relatórios, entrevistas, artigos acadêmicos, cartilhas e manuais, realização de eventos de discussão (seminários e encontros).
 
Site: http://blog.indisciplinar.com/
 
Origem do público-alvo: Interno e Externo
 
Caracterização do público-alvo:
O público alvo do programa é vasto, pois atinge as áreas verdes da cidade.
 
Captação por edital de fomento: Não
 
Articulado com política pública: Sim
 
 
ESTUDANTES MEMBROS DA EQUIPE
 
Plano de atividades:
-Encontros e reuniões na Escola de Arquitetura, sala 500 (sala sede do IND.LAB- Laboratório Nômade do Comum, programa de extensão no qual esse projeto está vinculado) para discussões teóricas e metodológicas que norteiam esse projeto
-Atuação junto a movimentos sociais pelo verde;
- Entender as relações entre os parques, a arborização urbana e a cidade;
- Entender as relações ecológicas presentes em Belo Horizonte;
- Apoio a propostas e projetos de parques;
- Construção de cartilhas e manuais dos objetos produzidos.
 
Plano de acompanhamento e orientação:
Reuniões semanais com participação efetiva dos professores-orientadores como integrantes do projeto acompanhando e orientando os estudantes.
Também serão utilizadas diversas estratégias de trabalho colaborativo via redes sociais (grupos de discussão no facebook, grupos de what's up, grupo de emails).
Participação efetiva em todas as etapas do plano de atividades.
 
Processo de avaliação:
As formas de avaliação têm um leque de indicadores que são verificados por meio de observação, formulação de questionários, entrevistas, roda de conversas a serem efetuados pela equipe, envolvendo os parceiros das ocupações e professores convidados.
 
 
INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS
 
Infra-estrutura física:
O Programa Natureza Urbana conta com espaço físico do Programa IND.LAB_Laboratório Nômade do Comum, sediado na Escola de Arquitetura, equipado com infraestrutura de informática. Além disso, pretende-se que aconteçam mapeamentos, processos de participação na cidade e nos parques e áreas verdes.
Vínculo com Ensino: Sim
Vínculo com Pesquisa: Sim
Público estimado: 12.000
 
 
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
 
Informações adicionais:
A proposta tem como possibilidade trabalhar em parceria com o MLB e com o subcomitê de Bacias Hidrográficas do rio das Velhas
A proposta está trabalhando conjuntamente com a pesquisa Jardins possíveis
A proposta tem possibilidade de construir parcerias com o poder público
 

   

Av. Antônio Carlos, 6627 - Campus Pampulha - Prédio da Reitoria, 6º andar - Belo Horizonte - MG
Fones: (31) 3409-4070/3409-4062 Fax: (31) 3409-4068 - E-mail: gab@proex.ufmg.br