Bem-vindo(a) Visitante sair | minha ufmg
SIEX/UFMG
Ações de Extensão
Georreferenciamento
Contato e Suporte
 
       

Projeto - 401964 - Cartografia das Lutas

Registro: 401964
Aprovado pelo CENEX em: 15/03/2018
 
Status: Ativo
 
Título: Cartografia das Lutas
 
Data de início: 21/02/2014 Previsão de término:
21/12/2019
 
   
 
Data da última aprovação pelo Órgão Competente: 20/02/2014
 
Órgão Competente: Congregação
 
 
CARACTERIZAÇÃO
 
Ano em que se iniciou a ação: -
 
Unidade: Escola de Arquitetura
 
Departamento: Departamento de Análise Crítica e Histórica da Arquitetura e do Urbanismo
 
Programa vinculado: IND.LAB
Principal Área Temática de Extensão: Cultura
 
Área Temática de Extensão Afim: Direitos Humanos e Justiça
 
Linha de Extensão: Mídia-Artes
 
Grande Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas
 
Palavras-chave: cartografia das lutas; multidão; comum; biopotência; cartografia da cultura
 
 
DESCRIÇÃO
 
Apresentação e justificativa:
Este projeto visa promover mapas, plataformas, encontros, debates, reflexão, exposição, tendo como ponto de confluência as lutas territoriais. As atividades deste projeto início com as atividades junto ao projeto "Multitude" que foi um acontecimento de arte contemporânea realizado no SESC Pompeia em SP em 2014 e que foi formado por encontros, debates, exposição, performances, apresentações cênicas e produção crítica, tendo como ponto de confluência o embate com o termo multidão, no qual participamos de workshops e exposição envolvendo o projeto Mapping The Commons que é um projeto internacional junto ao qual já realizamos alguns workshops em Belo Horizonte e São Paulo.

Partimos da observação de que nos últimos anos vêm surgindo uma série de obras e projetos que se relacionam com a produção dos commons urbanos em vários aspectos, de forma mais conceitual ou como reflexo de um contexto específico. O projeto vem reunindo cartografia da produção tanto de obras artísticas quanto de movimentos sociais militantes e ativistas em torno de um recorte temático, pautado pela discussão dos termos multidão e produção do comum nos campos filosóficos, sociológicos e políticos, propondo incorporar práticas multitudinárias para a condução dos eventos, em uma abordagem tanto de forma quanto de conteúdo. Este projeto faz parte de uma série de projetos que compõem as ações do Grupo de Pesquisa INDISCIPLINAR e vem se redesenhando de acordo com os acontecimentos envolvendo as lutas urbanas nos últimos anos. Além do Mapping The Commons, já desenvolvemos também os eventos: "Cartografias Biopotentes" no VAC de 2014 (http://blog.indisciplinar.com/eventos-2014/cartografias-biopotentes-verao-arte-contemporanea-2014/) com workshops e palestras; "Cartografia do Comum" (http://blog.indisciplinar.com/eventos-2014/cartografias-do-comum/) no espaço do Conhecimento da UFMG em 2014; "Tecnopolíticas do Comum" no Cidade Eletronika em 2015, além de termos iniciado o trabalho de investigação e atuação junto às lutas urbanas no evento artístico "Ativismo Urbano" em 2012 (http://blog.indisciplinar.com/cidade-eletronika-2012-origem-do-indisciplinar/) que deu origem ao Grupo de Pesquisa Indisciplinar. Outra atividade importante realizada no contexto deste projeto foi o Seminário Internacional denominado "Multiplicidades" (http://blog.indisciplinar.com/847/) em 2014, através do qual desenhamos o projeto para o nosso atual INCT denominado "Tecnopolíticas: territórios urbanos e redes digitais".

Também vinculada a este projeto de extensão, realizamos um projeto de pesquisa do CNPQ/ MINC denominado "CARTOGRAFIAS EMERGENTES. A distribuição territorial da produção cultural em Belo Horizonte" que teve interface direta com o desenvolvimentos do Mapeamento do Comum em Belo Horizonte e em São Paulo. Este projeto gerou uma série de interfaces com disciplinas e outros grupos de pesquisa e coletivos de arte e partiu do princípio de que a cultura também está relacionada a seus diversos campos teóricos imbricando cultura e natureza, cultura e civilização, cultura erudita e cultura popular, a lógica cultural do capitalismo tardio, cultura na era do capitalismo cognitivo, cultura e mercado, cidades criativas, cultura e território, cultura e resistência positiva, cultura e biopolítica, ativismo cultural, artes e artesanias, tecnologia social, criação e resistência. Muitas ações foram realizadas junto a outros projetos de pesquisa e extensão aprovados com bolsistas do Proex e do Prpq como o Cartografias Emergentes.
O mapa colaborativo está aberto à novos relatos: https://culturabh.crowdmap.com/main e o
resultado final da pesquisa: https://drive.google.com/…/0B7X1-JNexXRaU3pJOVdaRUhLR0U/view

Inicia-se um novo ciclo deste projeto de extensão envolvendo diretamente a Cartografia das Lutas Territoriais que também é realizado com o LabCidade/ USP. Aglutina-se neste projeto outras parcerias para investigação das lutas: https://www.facebook.com/Lutas-Territoriais-156594840701028
 
Objetivos gerais:
Desenvolver um projeto acadêmico e de investigação conceitual, teórica e prática tendo como ponto de confluência o embate com o termo Multidão. A idéia deste projeto é envolver a sociedade como um todo para ampliar a produção do conhecimento sobre o comum urbano e as práticas artísticas que potencialização a geração de zonas autônomas temporárias e espaços autogestionados, processos de urbanismo performativo, urbanismo tático, estratégicas que adotem o sistema p2p como princípio fundamental.
 
Objetivos específicos:
Promover encontros e debates, reflexão, exposição, livros, artigos científicos; seminários e palestras; produção de obras artísticas e culturais envolvendo tecnologias e suportes múltiplos. Desenvolver glossários e textos teóricos e gerar material acadêmico envolvendo as pesquisas do Grupo de Pesquisa Indisciplinar. Ampliar as ações do grupo de pesquisa para outras metrópoles brasileiras e iberoamericanas agregando novos pesquisadores e novos processos de cartografia que envolvema produção do comum, as lutas territoriais e a cultura em seu sentido ampliado.
 
Metodologia:
A metodologia do projeto é diversificada porque cada ação (Exposição, seminário, mapeamento e cartografia coletiva, palestras, artigos, escrita de livros) terá um conjunto de estratégia que irá depender do momento e dos atores envolvidos. Oficinas e workshops para capacitar alguns integrantes do processo irão acontecer de forma condensada em uma semana de imersão. Todo o processo envolve produção de artigos e textos a serem publicados em revistas nacionais e internacionais.
 
Forma de avaliação da ação de Extensão:
Avaliação qualitativa e quantitativa. Número de público frequentando os eventos (acadêmicos e culturais) e também entrevistas com os participantes diretos como palestrantes, artistas, militantes, ativistas, etc.
 
Site: www.indisciplinar.com
 
Origem do público-alvo: Interno e Externo
 
Caracterização do público-alvo:
Artistas, arquitetos, designers, sociólogos, cientistas políticos, ativistas, militantes, movimentos sociais organizados, filósofos e pensadores.
 
Captação por edital de fomento: Não
 
Articulado com política pública: Não
 
 
ESTUDANTES MEMBROS DA EQUIPE
 
Plano de atividades:
Exposição, seminário, mapeamento e cartografia coletiva, palestras, artigos, escrita de livros. Também serão realizados workshops de Mapeamento do Comum em Belo Horizonte, São Paulo e em outras cidades. Uma disciplina UNI 009 Cartografias Emergentes faz parte da integração entre ensino-pesquisa-extensão da copesquisa em processo. Também tem sido realizada uma disciplina no Programa de Mestrado Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável.
 
Plano de acompanhamento e orientação:
As alunos bolsistas, uma do mestrado e outra da graduação participarão de algumas etapas do projeto, no que disser respeito às suas pesquisas individuais. Reuniões semanais, produção de artigos, capítulos de livros, mapas e cartografias estão previstos no cronograma.
 
Processo de avaliação:
Em cada ação do projeto haverá uma forma de avaliar o processo, podendo ser realizada com entrevistas, relatórios, reuniões, dentre outras.
 
 
INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS
 
Infra-estrutura física:
Espaços dentro da Escola de Arquitetura da UFMG e também outros espaços nos quais os laboratórios nômades acontecem.
Vínculo com Ensino: Sim
Vínculo com Pesquisa: Sim
Público estimado: 100.000
 
 
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
 
Informações adicionais:

 

   

Av. Antônio Carlos, 6627 - Campus Pampulha - Prédio da Reitoria, 6º andar - Belo Horizonte - MG
Fones: (31) 3409-4070/3409-4062 Fax: (31) 3409-4068 - E-mail: gab@proex.ufmg.br