Bem-vindo(a) Visitante sair | minha ufmg
SIEX/UFMG
Ações de Extensão
Georreferenciamento
Contato e Suporte
 
       

Projeto - 401452 - Museu do Complexo Ferroviário de São João del Rei, Chagas Dória e Tiradentes: projeto de requalificação museológica e expansão

Registro: 401452
Aprovado pelo CENEX em: 11/07/2013
 
Status: Desatualizado
 
Título: Museu do Complexo Ferroviário de São João del Rei, Chagas Dória e Tiradentes: projeto de requalificação museológica e expansão
 
Data de início: 16/03/2012 Previsão de término:
01/12/2015
 
   
 
Data da última aprovação pelo Órgão Competente: 18/02/2013
 
Órgão Competente: Câmara Departamental
 
 
CARACTERIZAÇÃO
 
Ano em que se iniciou a ação: 2012
 
Unidade: Escola de Ciência Informação
 
Departamento: Depto Teoria e Gestao da Informacao
 
Programa vinculado: SEM VÍNCULO
Principal Área Temática de Extensão: Cultura
 
Área Temática de Extensão Afim: NÃO POSSUI
 
Linha de Extensão: Patrimônio Cultural, Histórico e Natural e Imaterial
 
Grande Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas
 
Palavras-chave: Museologia; Plano Museológico; Expografia; Políticas de Acervo; Patrimônio Histórico; Patrimônio Ferroviário
 
 
DESCRIÇÃO
 
Apresentação e justificativa:
É objetivo do projeto elaborar um plano para a requalificação do Museu Ferroviário de São João del Rei, promovendo a expansão da instituição através da musealização das demais estações do Complexo Ferroviário de São João del Rei, Chagas Dória e Tiradentes, bem como do patrimônio material e imaterial concernente ao percurso ferroviário que as une. O projeto integrará um plano de revitalização do Complexo Ferroviário, a ser desenvolvido e coordenado pela Inspire Gestão Cultural, que incluirá projetos de restauração e adaptação das edificações, restauração de bens móveis integrados, e um plano de gestão e sustentabilidade. O projeto será desenvolvido em parceria com a Inspire Gestão Cultural e a Ferrovia Centro Atlântica (FCA), concessionária do complexo ferroviário. A estação ferroviária de São João del Rei é um bem patrimonial tombado pelo IPHAN, que atualmente se encontra sob a concessão da Ferrovia Centro Atlântica. Através dela, A FCA opera uma linha de turismo ferroviário que liga os municípios de São João del Rei e Tiradentes, por meio de uma locomotiva a vapor. Construída em 1881, a estação pertenceu à Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM), que fazia ligação da região com a Estrada de Ferro Central do Brasil. Em 1957, a linha foi transferida para Rede Ferroviária Federal (RFFSA). Posteriormente, com a privatização das ferrovias, a operação do trecho foi transferida para FCA, que mantém a linha turística e é responsável pela preservação do complexo ferroviário. O porção do complexo ferroviário que se encontra em São João del Rei é constituída pelo prédio e a plataforma da estação, com algumas características arquitetônicas originais e onde se localizam salas administrativas e bilheterias. O antigo armazém de carga abriga o Museu Ferroviário, inaugurado em 1984, mas que atualmente se encontra desativado por falta de manutenção, pessoal técnico especializado e um plano museológico adequado. Além desses bens, o complexo conta com uma imponente a Rotunda, edifício de grande valor estético apesar de interferências decorrentes de restaurações anteriores, onde está guardada uma vasta coleção de máquinas a vapor, vagões e locomotivas elétricas. Ainda integram o conjunto oficinas de manutenção e mecânica, marcenaria, e uma série de armazéns, que compõem um importante patrimônio industrial. Além dos edifícios localizados na cidade de São João del Rei, o complexo inclui as estações de Chagas Dória e Tiradentes, esta última recentemente reformada. A primeira encontra-se desativada e em avançado estado de degradação, com perda de suas características originais. O projeto de requalificação museológica do complexo ferroviário de São João del Rei justifica-se não somente pela preservação do patrimônio edificado, mas também pelo conjunto de valores e significados atribuídos à ferrovia pelas comunidades locais; afora seu valor como testemunho histórico do desenvolvimento econômico de Minas Gerais, nos séculos XIX e XX. O universo ferroviário é rico em representações e está intimamente ligado à modificação dos meios de vida do homem ocidental. Desse modo, a requalificação do museu ferroviário considerará não somente a preservação e comunicação do patrimônio material, representado pelos edifícios, máquinas e acervo ferroviário, mas também pelo patrimônio imaterial, representado pelas memórias das comunidades locais e de ex-ferroviários, bem como pelo conjunto de saberes que fundamentam os ofícios ferroviários, como o da manutenção de máquinas a vapor. O projeto museológico terá também a preocupação de inserir a exploração turística do complexo ferroviário, em uma ação de musealização do percurso São João del Rei / Chagas Dória / Tiradentes; transformando as estações em lugares de memória revitalizados, buscando equacionar a relação entre preservação, memória e sustentabilidade econômica e desenvolvimento social para as comunidades locais.
 
Objetivos gerais:
Elaborar e acompanhar a implantação do projeto de requalificação museológica do Museu do Complexo Ferroviário de São João del Rei, Chagas Dória e Tiradentes, desenvolvendo e aplicando conceitos de musealização e diretrizes institucionais e programáticas, com vistas a potencializar as relações do público e da comunidade com o patrimônio material e imaterial presentes no percurso ferroviário que liga as estações de São João del Rei, Chagas Dória e Tiradentes.
 
Objetivos específicos:
.Requalificação e integração museológica do complexo ferroviário. .Musealização do percurso turístico São João del Rei / Chagas Dória / Tiradentes. .Contribuir para a requalificação da estrutura museológica da região da estrada de ferro, otimizando a comunicabilidade entre população local, turistas e o patrimônio. .Implantação de um plano museológico para o museu ferroviário, considerando política de acervo, expografia, projeto curatorial e ação educativa. .Implantação de um novo plano curatorial e de exposições temporárias. .Proposição de usos para os novos espaços do complexo como Rotunda, Oficinas, Estações e Armazéns.
 
Metodologia:
O projeto será desenvolvido em etapas de realização que contemplarão ações e internvenções museológicas de distintas naturezas, a saber: pesquisa de fundamentação para projetos de restauração de bens imóveis e bens móveis integrados; documentação de acervo; prospecção de novos acervos; desenvolvimento de um Plano Museológico; elaboração de projetos de exposição; elaboração de diretrizes de gestão. As etapas de pesquisa incluirão a localização e análise de fontes documentais nos arquivos do IEPHA, IPHAN MG, RFFSA-FCA, IPHAN RJ, Arquivos históricos das regiões de Divinópolis, Belo Horizonte e Rio das Mortes, assim como em bibliotecas universitárias e públicas; visitas técnicas à museus ferroviários e acervos afins nas cidades mineiras e em outros estados que possuam relevância e cosonância com o projeto. Entrevistas com profissionais que atuam ou atuaram na ferrovia também serão utilizados como material documental por meio do registro, segundo técnicas consagradas da História Oral. Será realizado um levantamento e inventário do acervo atual do museu, por meio de um sistema de inventariamento e classificação a ser elaborado em parceira com o IPHAN-MG; tornando-se possível o amplo conhecimento dos itens que o compõem. A partir desse levantamento, será desenvolvida uma nova política para a guarda e ampliação do acervo, que orientará a curadoria na implantação de uma nova conceituação museológica da instituição. A etapa de elaboração do Plano Museológico seguirá a metodologia consagrada, contemplando diagnóstico, diretrizes de gestão, programas culturais e científicos, estrutura organizacional, financiamento, sem desconhecer a necessidade de um diálogo permanente com atores e parceiros locais. Deverá se constituir em plataforma político-conceitual do museu, orientadora de futuros projetos e ações.
 
Forma de avaliação da ação de Extensão:
O andamento do projeto será avaliado pelos coordenadores e instituições parceiras, ao momento de conclusão de cada uma de suas etapas. Ao final de sua elaboração, o Plano Museológico deverá ser avaliado e validado por integrantes da comunidade local e representantes das instituições envolvidas e órgãos ligados à preservação e comunicação do patrimônio ferroviário. Ao final do processo de requalificação museológica do Complexo Ferroviário, os resultados do projeto serão analisados a partir do emprego de ferramentas de avaliação de seus espaços e funções museológicas como o museu, as estações, o percurso turístico, reservas técnicas e as exposições temporárias.
 
Site: -
 
Origem do público-alvo: Interno e Externo
 
Caracterização do público-alvo:
Interno: comunidade acadêmica: docentes e discentes do Curso de Museologia da Escola de Ciência da Informação da UFMG; alunos e docentes das áreas de História, Ciências Sociais, Comunicação, Arquivologia, Biblioteconomia, Conservação e Arquitetura. Externo: comunidade das cidades de São João del Rei e Tiradentes, turistas, especialistas em museologia e patrimônio, ferroviários, membros de associação de preservação ferroviária.
 
Captação por edital de fomento: Não
 
Articulado com política pública: Não
 
 
ESTUDANTES MEMBROS DA EQUIPE
 
Plano de atividades:
.Leitura da bibliografia e realização de discussões teórico-metodológicas com toda a equipe; .Auxílio na elaboração de diagnósticos necessários para confecção do Plano Museológico; .Participação em reuniões e/ou oficinas para discussão do Plano Museológico com as comunidades envolvidas; .Participação na elaboração do Plano Museológico, por meio de acompanhamento das discussões e levantamento de informações; .Auxílio na pesquisa histórica e museológica para a fundamentação de uma exposição de longa duração; .Acompanhamento da elaboração e da execução do projeto expográfico; .Auxílio no levantamento e documentação do acervo; .Auxílio na elaboração de instrumentos de documentação do acervo.
 
Plano de acompanhamento e orientação:
Os docentes envolvidos no projeto acompanharão o desenvolvimento dos trabalhos do bolsista durante todo o processo, por meio das seguintes ações: .Reuniões semanais e, se necessário, reuniões individuais para avaliação dos resultados obtidos nas pesquisas e demais atividades propostas pelo projeto; .Orientação para elaboração de relatório de atividades desenvolvidas e avaliação dos mesmos; .Estimulo e acompanhamento de produção técnica e acadêmica dos bolsistas, em consonância com seus campos de formação; .Incentivo à divulgação de resultados em Congressos e periódicos.
 
Processo de avaliação:
.Avaliação de relatórios bi-mensais com as atividades em andamento e desenvolvidas; .Elaboração de projetos de divulgação das atividades desenvolvidas pelo projeto; .Avaliação da participação nas reuniões e no envolvimento do bolsista com as atividades do grupo; .Avaliação do desempenho na coleta e organização das informações obtidas nas pesquisas de campo.
 
 
INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS
 
Infra-estrutura física:
As atividades do projeto se desenvolverão, em grande parte, nas dependências do Museu Ferroviário de São João del Rei ou na sala do Observatório de Museus (BU, UFMG). As reuniões de orientação e avaliação do projeto serão realizadas na sala do Observatório de Museus (BU, UFMG), na Escola de Ciências da Informação ou nas dependências da Ferrovia Centro Atlântica ou da Inspire Gestão Cultural. Os alunos bolsistas terão à sua disposição equipamentos fornecidos pela Inspire Gestão Cultural, com os quais poderão registrar e organizar dados de pesquisas de campo. Nas viagens a São João del Rei e Tiradentes, a Inspire Gestão Cultural colocará à disposição da equipe a infraestrutura e treinamentos necessários para a realização dos trabalhos.
Vínculo com Ensino: Sim
Vínculo com Pesquisa: Sim
Público estimado: 20.000
 
 
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
 
Informações adicionais:
O público estimado só será atingido após a abertura da instituição.
 

   

Av. Antônio Carlos, 6627 - Campus Pampulha - Prédio da Reitoria, 6º andar - Belo Horizonte - MG
Fones: (31) 3409-4070/3409-4062 Fax: (31) 3409-4068 - E-mail: gab@proex.ufmg.br