Bem-vindo(a) Visitante sair | minha ufmg
SIEX/UFMG
Ações de Extensão
Georreferenciamento
Contato e Suporte
 
       

Programa - 500398 - Natureza Política

Registro: 500398
Aprovado pelo CENEX em: 05/09/2017
 
Status: Ativo
 
Título: Natureza Política
 
Data de início: 01/09/2017 Previsão de término:
28/02/2019
 
   
 
Data da última aprovação pelo Órgão Competente: 23/08/2017
 
Órgão Competente: Congregação
 
 
CARACTERIZAÇÃO
 
Ano em que se iniciou a ação: 2017
 
Unidade: Escola de Arquitetura
 
Departamento: Departamento de Projetos
 
Principal Área Temática de Extensão: Meio Ambiente
 
Área Temática de Extensão Afim: Tecnologia e Produção
 
Linha de Extensão: Desenvolvimento Urbano
 
Grande Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas
 
Palavras-chave: natureza, política, território, capitalismo, neoliberalismo, território, urbanização extensiva, resistências
 
 
DESCRIÇÃO
 
Apresentação e justificativa:
O Programa NATUREZA POLìTICA pertence ao grupo de pesquisa INDISCIPLINAR, sediado na Escola de Arquitetura da UFMG, cujos integrantes são professores, pesquisadores, alunos de graduação e pos-graduação oriundos de diversos campos do conhecimento, que desenvolvem suas atividades buscando a articulação da teoria com a prática e o fortalecimento do tripé ensino-pesquisa e extensão.
O programa foi criado em função da percepção que a temática ambiental estava presente em diversos projetos vinculados ao Programa de extensão IND.LAB, e que era preciso organizá-los em um mesmo eixo de investigação, para articular melhor suas interfaces e suas estratégias de ação.
Desde 2016, os projetos de extensão “Artesanias do comum” e “Natureza Urbana” estão trabalhando juntos em uma mesma frente de ação, o Parque das Ocupações, uma área de preservação ambiental localizado nas fronteiras das ocupações urbanas autoconstruídas no Barreiro. A temática ambiental , presente em todas as frentes de ação do projeto “Natureza urbana” (Fica Ficus, Parque Jardim América, dentre outros), ao se juntar às questões sociais associadas à luta pela moradia , ganhou uma conotação política ampliada. Ao mesmo tempo, o projeto “Artesanias do Comum”, que já tinha em seus objetivos o reaproveitamento dos resíduos e a produção de tecnologia social numa esfera muito local, focada nas ocupações urbanas autoconstruídas localizadas na região do Barreiro e da Izidora, passa a incorporar questões regionais e a se conectar com outras lutas ambientais. Também a pauta feminista já vinha sendo incorporada à esse projeto, visto que nas ocupações citadas o papel das mulheres é determinante na produção daquele espaço, inclusive no que diz respeito à forma de se compartilhar e de se distribuir responsabilidades e cuidados, nas suas mais diferentes manifestações.
Por outro lado, o projeto de extensão “ Cartografias emergentes” possui duas frentes de ação que se conectam aos projetos de extensão citados: "Feminismo e espaço" e " Cartografia do Rio Doce".
Pretende-se que a aproximação da frente "Feminismo e espaço" das ações feministas do projeto "Artesanias do Comum" possa fortalecer a discussão sobre uma “natureza” (não essencialista) feminina e feminista na produção política e democrática nas ocupações autoconstruídas.
Com relação à segunda frente, ela constitui-se na investigação das práticas empresariais relativas ao desastre-crime desencadeado pelo rompimento da barragem em Mariana-MG. Ressalta-se neste contexto que é perceptível a configuração de um campo assimétrico de forças, que permite a influência dos discursos dominantes sobre a percepção dos acontecimentos e principalmente, propiciam o domínio empresarial sobre os encaminhamentos institucionais. A "Cartografia do Rio Doce" visa desarticular as estratégias corporativas de controle territorial e ainda, dar a ver discursos e movimentos invisibilizados, constituindo-se uma atuação contra-hegemônica. Essa frente de ação atua junto ao MAB - Movimento dos Atingidos por Barragens, dentre outros.
Diante de tantas tangências, a coordenação do grupo de pesquisa Indisciplinar, junto com os coordenadores desses projetos, percebeu que associá-los sob um mesmo “guarda-chuva” será de grande valia para o fomento de todas as questões citadas (sociais, ambientais, políticas e econômicas) em suas diversas escalas de abordagem (local, regional, global).
Importante ressaltar que partimos do entendimento que no capitalismo contemporâneo a extração da mais valia não acontece apenas por meio da exploração do trabalho, mas que, na sua versão rentista, ele se realiza também pelos processos de financeirização do território. Ao mesmo tempo, considerando que a dinâmica da urbanização se dá de maneira extensiva (MONTE-MOR), fica difícil separar a natureza e os bens comuns fora dessa dinâmica. Em outras palavras, a natureza é cada vez mais política, e os bens comuns são alvo de disputa econômica acirrada e de interesses financeiros rent
 
Objetivos gerais:
O programa “ NATUREZA POLÍTICA” se apoia nos pressupostos das 3 ecologias de Guattari (ambiental, social e mental) que atuam na interface do urbano com o político. Seguindo Chantal Mouffe, o programa tem como objetivo a criação de espaços públicos vivos e agonísticos, a partir do reconhecimento do justo e do ético
 
Objetivos específicos:
-Cartografia da construção dos fatos políticos que envolvem as disputas territoriais.
-Cartografia dos agentes(aoires-humanos) envolvidos nas disputas socioambientais presentes nos territórios de atuação de cada projeto associado.
-Cartografia dos objetos e instrumentos (atores não-humanos) utilizados nos conflitos mapeados.
- Construção de narrativas para contrapor as ações hegemônicas presentes nos conflitos mapeados
- Criação de espaços públicos vivos e agonísticos
 
Metodologia:
As metodologias desenvolvidas neste projeto incluem:
-Cartografia da construção dos fatos políticos que envolvem as disputas territoriais.
-Cartografia dos agentes(aoires-humanos) envolvidos nas disputas socioambientais presentes nos territórios de atuação de cada projeto associado.
-Cartografia dos objetos e instrumentos (atores não-humanos) utilizados nos conflitos mapeados.
- Interlocução direta (reuniões, rodas de conversa, etc) com os moradores de territórios de conflito socioambiental.
- Oficinas/workshops de capacitação e trocas de saberes tendo como pressupostos: processo de decisão e projetação compartilhado, tecnologia social e economia solidária.
- Produção de cartilhas e manuais em redes sociais e eventos, em linguagens acessíveis, visando uma divulgação ampla do material produzido (copy left)
- Todo o processo visa o fortalecimento e a autonomia dos grupos sociais envolvidos, como também a transformação dos próprios pesquisadores (alunos e professores) quando em contato com a prática da extensão.
 
Forma de avaliação da ação de Extensão:
Em cada ação do projeto haverá uma forma de avaliar o processo, tendo em vista que as estratégias adotadas em cada frente de ação pode variar de acordo com os grupos envolvidos e com as relações construídas, podendo resultar em produtos diversos: relatórios, entrevistas, artigos acadêmicos, cartilhas e manuais, realização de eventos de discussão (seminários e encontros), construção de objetos, realização de eventos de troca e comercialização (feiras e bazar), construção de uma rede de troca e compartilhamento da produção do comum (objetos, material gráfico, venda/troca de produtos, etc)
 
Site: indisciplinar.com
 
Origem do público-alvo: Interno e Externo
 
Caracterização do público-alvo:
O programa será voltado para um público amplo, tendo em vista as diversas escalas de ação propostas em cada projeto associado, mas sempre associado aos grupos sociais mais vulneráveis.
 
Captação por edital de fomento: Não
 
Articulado com política pública: Não
 
 
ESTUDANTES MEMBROS DA EQUIPE
 
Plano de atividades:
Mapeamento do material técnico e jurídico já publicado sobre o conflito sócio-ambiental
Participação de reuniões com os grupos sociais parceiros
Produção de eventos e workshops com os grupos parceiros
Participação das orientações com os professores coordenadores
Produção de novo material a ser usado para contrapor as narrativas hegemônicas mapeadas
Produção de relatórios
Participação da Semana do conhecimento
 
Plano de acompanhamento e orientação:
Reuniões semanais com participação efetiva dos professores-orientadores como integrantes do projeto acompanhando e orientando os estudantes.

Também serão utilizadas diversas estratégias de trabalho colaborativo via redes sociais (grupos de discussão no facebook, grupos de what's up, grupo de emails).

As postagens no blog também deverão fazer com que todos estejam atualizados o tempo todo em todas as etapas do Programa e seus Projetos.

Participação efetiva em todas as etapas do plano de atividades.
 
Processo de avaliação:
As formas de avaliação têm um leque de indicadores: envolvimento dos grupos sociais parceiros, produção de material para contrapor as narrativas hegemônicas presentes nas disputas socioambientais, acesso à informação produzida, avanço nas discussões e conquistas pautadas pela resistência.
Esses indicadores serão são verificados por meio de rodas de conversa com os grupos parceiros, observação, formulação de questionários, entrevistas, etc.
 
 
INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS
 
Infra-estrutura física:
Espaço físico da sala 500, sala 304 E e sala 411 da Escola de Arquitetura.
Computadores, mesas e cadeiras, mesa de reunião.
Vínculo com Ensino: Sim
Vínculo com Pesquisa: Sim
Público estimado: 10.000
 
 
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
 
Informações adicionais:
O Programa IND.LAB é uma iniciativa vinculada ao Grupo de Pesquisa do CNPQ sediado na Escola de Arquitetura da UFMG denominado Indisciplinar (http://blog.indisciplinar.com) e desenvolve projetos de extensão associados à pesquisa gerando tecnologia social atuando em rede com diversos movimentos sociais. Os projetos extensionistas vinculados a este programa até o momento (agosto de 2017) eram: Cartografias Emergentes, Artesanias do Comum, Natureza Urbana, Compartilhamento e Distribuição do Comum, BH S/A. A partir de setembro de 2017, os projetos Cartografias Emergentes, Artesanias do Comum, Natureza Urbana migrarão para o programa Natureza Política
 

   

Av. Antônio Carlos, 6627 - Campus Pampulha - Prédio da Reitoria, 6º andar - Belo Horizonte - MG
Fones: (31) 3409-4070/3409-4062 Fax: (31) 3409-4068 - E-mail: gab@proex.ufmg.br